Tostas com Antepasto...



Eu sou uma apaixonada pela cozinha Italiana. Acho mesmo que é a minha preferida, mas sem certezas. É um assunto muito difícil e delicado escolher como predileta uma cozinha...
Mas a Italiana está ali sempre no topo, das preferências.
Então hoje andei um pouco por lá,  trago umas tostas com antepasto...
Antepasto significa "antes da refeição" é o conjunto de iguarias servidas antes da refeição. É tradicionalmente o primeiro prato na gastronomia italiana formal e inclui carnes curadas, azeitonas, alho assado, pepperoncini, cogumelos, anchovas, corações de alcachofra, queijos diferentes. 
Claro que não é uma receita original de antepasto, o que vos apresento hoje mas...
É uma ótima sugestão para uma refeição mais leve, um aproveitamento de algumas coisitas que andavam no frigorifico lá de casa.  Como e muito bem, vivemos uma época de desperdício zero.
Estas tostas são  uma ótima sugestão, para se gastar pequenas sobras de outras refeições. 
Podendo sempre acrescentar o que quisermos e gostar-mos.
2 tostas destas com uma salada ou uma sopa fazem uma refeição. 




Ingredientes
Azeite q/b
1/2 copo de vinho branco
Polpa de tomate q/b
1 malagueta
1 cebola
4 dentes de alho 
1 pimento vermelho 
1 beringela 
6 cogumelos
Azeitona preta sem caroço
1 lata de milho 
Queijo a gosto (usei mozarela)
1 ovo por pessoa

Preparação 
Com ajuda de uma mandolina pique um pequenos cubos a cebola, pimento, beringela e os cogumelos reserve.
Coloque a beringela num tabuleiro de rede polvilhado com sal para libertar agua amarga que contem, deixe repousar uns 20 minutos assim.
Numa sertã coloque o azeite com o alho esmagado e a malagueta picada fininho, assim que começar a dourar junte a cebola e o pimento deixe cozinhar até ficar translucido.
Refresque com o vinho branco, deixe evaporar o álcool e junte 1 colher de sopa de polpa de tomate. Junte a beringela, os cogumelos e o pimento  deixe cozinhar ate ficarem bem macios.
Por fim o milho e a azeitona picada, mais uns minutos apenas... Reserve.
Corte o pão em fatias a gosto, salpique com um pouco de azeite e alho em pó, leve ao forno a 180ºC. Ainda no tabuleiro coloque o preparado de legumes sobre o pão. Um pouco de queijo mozarela em cima. Coloque de novo dentro do forno, mas com forno desligado e porta entreaberta só para manter quente.
Entretanto escalfe os ovos em agua a ferver e vinagre.
Eu coloco agua a ferver. Assim que ferve junto um esguicho de vinagre, deixar ferver novamente. Fazer um remoinho na agua e colocar lá o ovo no centro do remoinho. Com cuidado e ajuda de uma colher empurrar a clara para cima da gema. Deixar um minutos ou dois, até gema estar a gosto.
Coloque por cima da tosta e sirva de imediato.




Na elaboração e apresentação desta receita contei com o apoio e qualidade de:




Tagliatelle com ameijoas à bolhão Pato.


Um prato de pasta é sempre um conforto para o estômago.
E se lhe juntarmos sabores preferidos, ficam ainda melhor.
Sim estou a falar das ameijoas, adoro e se forem a bulhão pato então fica perfeito para mim claro.
São sabores simples bem nossos, sabores que fazem parte do meu palato desde tenra idade.
Confesso aqui que ainda nos dias de hoje deixo pessoas chocadas pelo facto de eu comer bivalves crus. Sim como e adoro. O sabor intenso a mar que uma conchinha destas nos trás, não tem palavras para descrever. Então para começar a fechar o capitulo do Verão deixo aqui hoje este tagliatelle negro, com (tinta de choco)  com umas maravilhosas ameijoas à Bulhão pato. Super rápido de fazer, perfeito para um jantar por exemplo. Aproveitar ainda os sabores de verão. Porque os aromas, sabores, cores  de Outono estão a chegar, mas isso é outra historia, o outono.

                                        Hoje o assunto é massa e ameijoa. 




Ingredientes
Tagliatelle nero
1 quilograma de ameijoa branca fresca
1 limão
1 malagueta
Azeite q/b
4 dentes de alho 
Vinho branco q/b
Coentros ou salsa frescos 
Flor de sal q/b

Preparação 
Comece por colocar as ameijoas em agua e um bom punhado de sal, deixe ficar 30 a 60 minutos. Para elas abrirem e libertarem areias.
Passe-as  por agua limpa e reserve.
Numa sertã  coloque os dentes de alho esmagados, a malagueta laminada fininho e deixe cozinhar, sem queimar o alho. Refresque com o vinho branco. Assim que evaporar o álcool, junte as ameijoas e deixe cozinhar em lume brando.
Ao lado num tacho largo coza o tagliatelle  em água abundante e sal até ficar al dente .
Assim que a pasta estiver cozida passe para a sertã onde estão as ameijoas. Pode adicionar um pouco da agua onde pasta cozer, ajuda engrossar molho. Controlar quantidade de molho ao gosto pessoal.
Envolva bem as ameijoas e a pasta, esprema sumo de um limão por cima e sirva de imediato com quartos de limão, para intensificar  sabores.







Ameixas Rainha Cláudia em calda ou as conhecidas ameixas de Elvas.


 E já estamos no mês de Agosto, o tempo voa. Já estamos em tempo de ferias para a grande maioria das pessoas. E estamos também em tempos de abundancia, nestas deliciosas ameixas, Rainha Cláudia que são maravilhosas, super doces para se comer assim ao natural. Como para, as fazer em calda.

E hoje trago aqui como as costumo fazer, bem simples aguentam imenso tempo. ótimas para acompanhar a deliciosa sericaia, um cheesecake ou mesmo acompanhar uma robusta fatia de um queijo com personalidade. Vão por mim, não se arrependem.  
Este ano foi generoso em fruta, especial ameixas as arvores estavam carregadas. Algumas quase com mais fruta que folhas e deliciosas. É bom quando assim é fartura. E eu fui generosamente presenteada com estas pequenas maravilhas, alem das que comi no seu melhor estado. Fiz também uns bons frascos de ameixa em calda. Que se irão comer ao longo do ano com outras delicias.




Não acham lindas💚



Ingredientes
Ameixas  Rainha Cláudia q/b
Açúcar amarelo q/b

Preparação
Lave e seque as ameixas pode ou não tirar o pendulo (opcional)
Lave e esterilize frascos de vidro com tampa, que fechem muito bem. Não deixem verter nada.
Coloque as ameixas dentro do frasco o mais acondicionado possível e vá colocando colheradas de açúcar amarelo intercalado. o açúcar é a gosto. Eu neste frasco coloquei cerca de 6 colheres de sopa de açúcar em cada um deles. 
Feche muito bem, mas muito bem mesmo, bem apertados.
Numa panela grande e alta onde caibam os frascos, coloque um pano de cozinha no fundo. Os frascos lá dentro e encha de agua até a tampa dos frascos.
O pano serve de calço aos frascos, para quando começar a ferver não batam, no fundo da panela podendo estalar e partir. Se os frascos não forem ao fundo, ( boiar) coloque algo pesado em cima, para fixarem.
 Leve ao lume assim que começar a água a ferver baixe o lume e deixe cozer por cerca de 1 hora. Até as ameixas cozerem e o açúcar se transformar num calda com sumo da fruta. Desligue e deixe arrefecer por completo dentro da panela. Retire e guarde na despensa, só precisa de ir para o frio depois de abrir o frasco. Aguenta de um ano para o outro.
As ameixas depois de prontas reduzem  o tamanho ficando os  frascos +/-  pela metade.





💚💛




Tiramisú com licor de Sabugueiro!



Hoje trago uma sobremesa de colher o "Tiramisú"
Um doce que segundo reza a historia, chega-nos da Itália.  Sou uma apaixonada pela cozinha Italiana, confesso. E este doce não é exceção, adoro. Dei-lhe um toque bem português, usei  Licor de Sabugueiro
Sim este mesmo e deixem que vos diga, ficou maravilhoso. 
Podem fazer o Tiramisú em formato familiar ou em doses individuais. Eu fiz ambas, pois não apetecia esperar a a hora de sobremesa para abrir formato familiar. Queria, estava ansiosa por provar esta versão com licor de Sabugueiro. 
Deixo aqui uma das historias sobre origem de tiramisú ...



Historias a volta do Tiramisú

Segundo uma delas, o Tiramisù foi criado nos finais do século XVI para homenagear o Duque da Toscana, Cosme III de Médicis, aquando da sua chegada a Siena, para que guardasse uma boa recordação da cidade. Os pasteleiros de Siena prepararam para a ocasião uma sobremesa com os ingredientes mais nobres, ou seja: o queijo mascarpone, o chocolate e o café.

Outra lenda conta que durante o Renascimento se considerava o Tiramisù como um afrodisíaco potente, motivo pelo qual as venezianas o preparavam para os seus amantes ao cair da noite, para lhes proporcionar mais energia. Esta sobremesa imprescindível, que goza de grande popularidade em Itália, não deixa de nos surpreender com versões derivadas da receita original, que leva café, tanto doces, como salgadas. Atualmente, o Tiramisù continua a ser um dos símbolos da autenticidade e da simpatia italianas.



Ingredientes

500 gr de queijo mascarpone
6 ovos
200gr de açúcar amarelo
Palitos la reine q/b
 250 ml café expresso bem forte sem açúcar 
50 ml de licor de sabugueiro 
Cacau em pó

Preparação método Tradicional
Separe as gemas das claras. Bata as gemas com o açúcar até a mistura ficar esbranquiçada. Adicione o queijo Mascarpone e misture bem.                                                                              Bata as claras em castelo e junte-as lentamente ao preparado anterior. Misture o café frio com o licor de sabugueiro numa taça e embeba os palitos de La Reine.                                    Na taça onde vai montar o tiramisú forre o fundo todo com com palitos de la reine já embebidos no café e licor. Cubra com o preparado de creme, novamente os palitos la reine e preparado de creme. Até terminar os ingredientes. Seno sempre por cima o preparado de creme. Leve ao frio no mínimo 3 a 4 horas . Se bem que ideal é sempre de um dia para o outro. Na altura de servir polvilhe com cacau em pó e decore a gosto.

Preparação Método Robot de cozinha
No copo limpo e com borboleta coloque as claras e bata em castelo 6mint/ vel.3,5, reserve.
Sem limpar o copo coloque as gemas com o açúcar4 mint/ vel 4 junte o queijo mascarpone e bater vel.4/ mais 3 mint. 
Volte a colocar a borboleta, junte as claras aos poucos pelo bocal em vel. 3 durante 3 a 4 minutos.
 Misture o café frio com o licor de sabugueiro numa taça e embeba os palitos de La Reine.      Na taça onde vai montar o tiramisú forre o fundo todo com com palitos de la reine já embebidos no café e licor. Cubra com o preparado de creme, novamente os palitos la reine e preparado de creme. Até terminar os ingredientes. Seno sempre por cima o preparado de creme. Leve ao frio no mínimo 3 a 4 horas . Se bem que ideal é sempre de um dia para o outro. Na altura de servir polvilhe com cacau em pó e decore a gosto.



Salada fresca de Verão!



 Estamos em pleno Verão e as saladas nesta época são uma forte presença.
Frescas, colorias e super variadas. Refeições leves e cheias de sabor. Fortes aliadas as dietas e operação biquíni. Porque quem é que nunca, chega a esta época e acha que tem tem que perder um quili ou dois?
Mas deixando essa parte constrangedora para o lado. Vamos ficar só pela beleza desta salada. Sim eu sei que sou suspeita mas é linda têm que concordar comigo.
Colorida, fresca, viva e deliciosa. E o facto de ser com produtos sazonais acrescenta-lhe uma das minhas preferências gastronómicas. Que é usar sempre de preferência produtos sazonais, da época.
Quando estão com todo e  maximo esplendor de benefícios para nossa saúde.
Como vem é só coisas boas. Não acham?
Mas vamos lá a esta saladinha bem simples de se fazer! 



Ingredientes (1 pessoa)
2 pêssegos 
5 morangos
1 queijo fresco
Meia cebola
Sementes de papoila
Folhas de manjericão roxo Aromáticas Vivas
Azeite q/b 
Flor de sal q/b
Creme de vinagre balsâmico

Preparação
Tire a pele aos pêssegos, com um descascador, multifunções e parta em gomos. 
lave e corte os morangos em rodelas grandes.
Corte o queijo as fatias e depois em meias luas.
A cebola em rodelas bem fininhas, com ajuda de uma mandolina
Depois de tudo cortado, emprate a gosto, tempere.
Salpique com sementes de papoila e por fim refresque com lindas e deliciosas folhas manjericão roxo
Sirva de imediato.



  



Nesta receita contei com o apoio e qualidade de Aromáticas Vivas

Licor de Flor de Sabugueiro.

 



E pronto cá está ele o licor de sabugueiro. Uma delicia deixem que vos diga. 
Agora que o verão está ai a porta, fresquinho com uma rodelinha de limão. 
A ver um por de sol, num picnic por exemplo em boa companhia. 
Pouco mais é preciso. 
Este licor é para repetir seguramente nos anos seguinte, enquanto o sabugueiro florir...
E me presentear com seu delicioso aroma e beleza. Bem simples de fazer, como de degustar. Pequenos prazeres da vida, coisas simples, receitas simples, sabores simples.         
 Licor de Flor de Sabugueiro💚 
 

 Ingredientes
600 ml de xarope de sabugueiro
250 ml de água ardente

Preparação 
Numa garrafa esterilizada colocar o xarope de sabugueiro juntar a água ardente, fechar e guardar num lugar  seco e escuro.
No minino 6 semanas até estar pronto a consumir.
Bem fresco.





Sopa de couve-flor e maça de Quina!!



Sopa! 
Sopa de couve-flor e maça de Quina. Um casamento perfeito. A 1º vez que vi esta receita e me despertou curiosidade foi no blog do Rui. Faz e come. Claro que tinha que replicar e se assim o pensei mais depressa o fiz.
Ainda por cima tinha sido docemente presenteada com um lindo e maravilhoso cabaz de maça de Quina biológicas, claro. E foi esta maça que usei
Alterei ligeiramente a receita, (ingredientes) mais ao encontro do meu gosto pessoal. E algum que não consegui.
É uma otima opção para manter a sopa diariamente na nossa alimentação.
Poucos ingredientes, simples saborosa e fresca, a maça dá-lhe toque de frescura, acidez perfeita.
E depois a cor... branquinha, linda, imaculada uma sopa perfeita para um almoço ou jantar mais requintado. Sim, vá-la  têm que concordar comigo. Tem uma ar requintado esta sopinha.
Uma sopa que vai fazer furor em qualquer  mesa! De lindona que é
Se quiserem espreitar a receita do Rui, está  Aqui


Ingredientes
1 cebola média
1 couve flor média /pequena
1 maça de quina
50 ml de vinho branco
Sal rosa dos himalaias q/b
pimenta q/b
Vinagre e maçã q /b
600ml de água 
2 folhas de couve galega 

Preparação Método tradicional 
Coloque a cebola picada grosseiramente, num tacho com azeite. 
Deixe estalar um cozinhar uns minutos até amolecer, refresque com vinho branco, deixe evaporar. Junte a couve-flor e a maça picada grosseiramente, sem caroço. Deixe cozinhar uns minutos, junte a água e e deixe cozer 20 minutos, depois de começar a ferver.
Triture com a varinha magica e ajuste os temperos Sal e pimenta.

A parte numa sertã com  um fio de azeite e bem quente frite a couve galega em pequenos pedaços até ficar crunh. Deixe arrefecer em papel de cozinha para retirar excesso de gordura.
Sirva o creme com os crunh de  couve por cima, uns pingos de vinagre de maça e um fio de azeite.  

Preparação Robot de Cozinha
Coloque a cebola no copo, com o azeite.  Pique 6 seg/ vel.5.
Programe 5 min/100Cº/ vel.colher. Refresque com o vinho branco.
Junte a couve flor previamente lavada e cortada em floretes e a maça sem caroco, um pouco de sal e pimenta.  Programe 5mint/100Cº/vel.1. Por fim junte a água e programe 15 mint/100Cº/ vel.1.  Triture ate obter um creme. Ajuste de sal e pimenta a gosto.

A parte numa sertã com  um fio de azeite e bem quente frite a couve galega em pequenos pedaços até ficar crunh. Deixe arrefecer em papel de cozinha para retirar excesso de gordura.
Sirva o creme com os crunh de  couve por cima, uns pingos de vinagre de maça e um fio de azeite.